créditos: Getty Images

São Pedro de Atacama

São Pedro de Atacama

Deserto, sal, paisagens lunares…  O norte do Chile abriga um dos lugares que todo viajante deveria visitar: São Pedro de Atacama.

Situada a 2.400m de altitude, o que pode causar uma leve indisposição em algumas pessoas, a cidade coleciona mais de cinco séculos de história, reúne diversas atrações inesquecíveis e impressiona até mesmo os turistas mais exigentes.Atualmente a oferta de hospedagem é ampla e bem cuidada. Até pouco tempo atrás, apenas uma quantidade pequena de mochileiros conhecia este ponto do mapa. Durante a última década, porém, surgiram visitantes de todas as partes do mundo, o que proporcionou uma melhora na oferta de instalações e serviços.O Salar de Atacama é uma das salinas mais famosas do mundo (e vizinho ao majestoso Salar de Uyuni, na Bolívia). É surpreendente perceber que, nestas condições, sobrevivem moradores e a fauna local, distantes da passagem do tempo e do progresso.

Por ser um destino bastante solicitado internacionalmente, podemos deixar tudo organizado antes mesmo de viajar (em relação a hospedagens e tours). Por outro lado, é melhor esperar até a chegada ao destino para escolher as melhores opções. O local conta com diversas agências que organizam roteiros mais flexíveis em relação a horários e também em relação a preços.

São Pedro de Atacama não é um destino barato – nem absurdamente caro – ainda mais se considerarmos as dificuldades de transporte encontradas devido à localização inóspita. Recomendo pequenas pousadas ao invés de campings (muito empoeirados e desconfortáveis) àqueles que não contam com um orçamento para ficar em hotéis. Aos que estão dispostos a gastar um pouco mais, a cidade conta com hoteis bonitos e agradáveis, verdadeiros oásis em meio ao deserto.

Com relação à comida, os restaurantes da região oferecem menus suculentos para todos os gostos: de assados em forno a lenha a opções vegetarianas sofisticadas, especialmente nas jantas, compostas por fogueiras nos pátios internos das instalações.

Visitas
El Valle de la Luna: localizado a 12km do povoado através do antigo caminho a Calama, é uma depressão rodeada de dunas e colinas com impressionantes cristas afiadas, sobre a Cordilheira do Sal. O vale é parte da Reserva Nacional Los Flamencos.

Géiseres del Tatio: localizados em uma bacia a 90km ao norte de São Pedro de Atacama e a uma altura aproximada de 4.320m acima do nível do mar emergem aberturas através de rachaduras na crosta terrestre (formadas pelo contato de rios subterrâneos de água gelada com rochas que chegam a 10m de altura e atingem temperaturas de até 85°C). Este é provavelmente o ponto turístico mais interessante da região. Vale lembrar que as saídas são programadas para a madrugada (por volta das 3 ou 4 da manhã) e que a viagem não é das mais confortáveis. Leve roupas para frio, mesmo que mais tarde, com o nascer do sol, não sejam necessárias. É imprescindível tomar um banho nas águas termais a mais de 4.000m de altura (o difícil não é entrar, mas sair…).

Casa Incaica: é a construção mais antiga da região, com feixes cobertos por troncos, galhos e palha.

Museu Arqueológico R.P. Gustavo Le Paige: seu fundador foi um missionário jesuíta belga que realizou um estudo delicado sobre a arqueologia dos Andes e coletou centenas de objetos indígenas que, com a ajuda da Universidad Católica del Norte, reuniu em um museu. Estes objetos arqueológicos contam um pouco da história dos povos que habitaram o Território Atacameno durante os 11 mil anos de desenvolvimento.

Termas de Puritama: localizadas a 28km de São Pedro de Atacama, as termas ficam ao fundo de uma ravina ao longo do rio, que corre a uma temperatura de 33,5°C. É o lugar ideal para manter contato com a natureza e relaxar.

Pukará de Quitor (Aldeia de Quitor, Monumento Nacional): 4km ao norte, pelo caminho junto ao Rio Grande. É uma fortaleza defensiva que data do século XII, mas depois foi ocupada e reforçada pelos Incas.

Algumas recomendações
Para os que talvez sejam afetados pela altitude, é recomendado levar algum medicamento adequado. O chá de coca também é uma boa opção para suavizar os efeitos causados pela altura da região. Protetor solar é indispensável! Lembre-se, ainda, de levar água ou outras bebidas refrescantes – principalmente para as regiões mais afastadas. Os lábios também sofrem bastante com as condições climáticas, por isso vale levar um protetor labial. Quanto às roupas, é uma boa pedida levar peças para frio e calor (condições extremas durante o dia e à noite). E sobretudo: mente aberta para desfrutar a beleza rara e infinita do lugar.

Rafael Paniagua 

Divulgação: Ondas do Vento
Fonte: Bella da Semana

About The Author

Firmo Sperotto Braga trabalha com publicidade desde 2001. Produtor de Conteúdo na Rede Itapema FM (SC), e por vezes, do jornal Diário Catarinense (ambos do Grupo RBS), Tuba, é agente autorizado dos atletas OVComp e criador do Ondas do Vento, sendo o responsável pelos projetos, estratégias e visão da marca.

Leave a Reply

Your email address will not be published.